terça-feira, julho 13, 2010

Em Copa de final europeia, trio campeão do mundo dá vexame

http://contenti1.espn.com.br/foto/grande/0_254250df-2e24-3039-a213-a98cb1056031.jpg

Italianos lamentam eliminação prematura

Crédito da foto: AFP


por ESPN.com.br


O grupo dos quatro primeiros colocados da Copa do Mundo da África do Sul evidencia uma hegemonia europeia na disputa, que teve apenas o sul-americano Uruguai como ‘penetra’. Mas um trio de peso não honrou o bom desempenho do continente. Cada um a sua maneira, Itália, França e Inglaterra, todos com títulos mundiais em seus currículos, deram vexame.

Os italianos chegaram a África com a responsabilidade de serem os defensores da taça de 2006. A idade elevada do elenco do técnico Marcello Lippi e o excesso de jogadores comuns fizeram com que a expectatica sobre a ‘Azzurra’ não fosse tão grande, é verdade. Mas o que se viu neste ano foi de se lamentar até para esse time.

A equipe tetracampeã terminou a Copa com a pior campanha de sua história ao empatar duas partidas – com Paraguai e Nova Zelândia – perder o desafio final – contra a Eslováquia – e terminar a fase de grupos na lanterna, sem uma vitória sequer.

A Inglaterra também penou. Assim como os rivais italianos, não passou de empates nos compromissos inicIais contra Estados Unidos e Argélia. Ainda assim, venceu a Eslovênia por 1 a 0 e passou às oitavas de final. Nas eliminatórias, foi presa fácil para a envolvente Alemanha.

Depois da goleada por 4 a 1 diante dos rivais, nem mesmo o gol de Lampard mal anulado – a bola nitidamente passou a linha – aplacou a fúria dos fãs. Teve até torcedor invadindo o vestiário do time depois do jogo para cobrar uma geração que prometia muito, mas fez pouco e provavelmente se despediu dos Mundiais na África. Da velha guarda, Gerrard e Lampard deixaram a desejar. Entre os mais novos, Rooney também passou batido.

É difícil avaliar qual foi o principal fracasso em um grupo tão seleto. Mas se existe um favorito para o posto, ele certamente é o time francês. Não satisfeitos em fazer feio dentro de campo, os ‘Bleus’ também passaram vergonha fora dele.

O técnico Raymond Domenech começou mal, deixando Benzema e Nasri fora de sua lista para a Copa. Chegou a seu ápice quando discutiu com o atacante Anelka no intervalo de jogo com o México e dias depois foi vítima de um motim da equipe por ter excluído o centroavante. E terminou em ‘grande estilo’ com um lamentável ato de grosseria com o treinador brasileiro Carlos Alberto Parreira depois da derrrota para a África do Sul.

Com tal cenário, o desempenho no Mundial não poderia ser outro: um empate, duas derrotas e eliminação logo de cara. O vexame da seleção virou problema de Estado na França e Domenech teve que se explicar diante de políticos locais.

Nenhum comentário: