quarta-feira, junho 16, 2010

Parreira encerra 'lua de mel' e é o primeiro técnico da Copa a atacar a arbitragem

Parreira lamenta 3 a 0 e já tem discurso pronto para eliminação

por ESPN.com.br


O técnico brasileiro Carlos Alberto Parreira acabou com o clima ‘lua de mel’ vivido na Copa do Mundo da África do Sul entre treinadores e árbitros, que até aqui não haviam criado nenhuma polêmica. O comandante sul-africano não poupou críticas ao juiz da derrota da sua equipe para o Uruguai por 3 a 0 nesta quarta-feira, o suiço Massimo Busacca.


“Todo o mundo está lamentado a atuacão mais fraca de todas os árbitros nessa Copa. Ele começou mal desde o primeiro tempo, invertendo faltas e dando cartões que não foram. Expulsou nosso goleiro de forma injusta e irritou todo mundo”, disse Parreira.


Além de reclamar do cartão vermelho para o goleiro Khune aos 30 minutos do segundo tempo em pênalti que aparentemente aconteceu, o treinador questionou o fato de o terceiro gol uruguaio ter saído já nos acréscimos, quando, segundo ele, o jogo já deveria ter acabado.


"Estávamos bem no segundo tempo, até o juiz descobrir um pênalti. No final do jogo, eles fizeram 3 a 0 quando a partida deveria ter terminado. Esse árbitro não merecia estar aqui", completou Parreira.


Mais que a derrota sofrida para o Uruguai nesta quarta-feira pela segunda rodada do grupo A da Copa do Mundo, o técnico Carlos Alberto Parreira lamentou o placar de 3 a 0 sofrido por sua equipe. O brasileiro acredita que o saldo de gols ruim pode prejudicar sua equipe na última rodada. E já tem até o discurso pronto para a eliminação.


“Desde que cheguei nesse país em novembro essa foi nossa primeira derrota. Todo time precisa de resultados, mas o povo defende nossa equipe. Esses três times – Uruguai, França e México - estavam no primeiro mundial em 1930. Então não temos que ter vergonha de não nos classificarmos. Temos que nos preocupar em evoluir e jogar um bom futebol.”

“O que me incomoda não é a derrota, mas a diferença de gols. Esse 3 a 0, cujo terceiro gol aconteceu quando o jogo já poderia ter acabado, pode influenciar no saldo de gols. Mas vamos esperar, porque tanto nós como os outros podemos fazer quatro pontos."

Parreira destacou a experiência uruguaia e o talento do atacante Forlán como os fatores que fizeram a diferença no jogo de hoje. “O Uruguai é um time que é muito mais experiente que o nosso e eles impuseram essa experiência em momentos decisivos e importantes. E Forlán é um jogador diferenciado.”

“Depois do jogo a frustração é enorme. Poderíamos ter empatado, apesar de não termos jogado para isso. Mas o resultado de 3 a 0 não corresponde à realidade do jogo. Os goleiros pouco participaram da partida. Poucas bolas foram defendidas.”

“Eles fizeram o primeiro gol em um chute belíssimo, que não tinha como defender. No momento que a nossa equipe era melhor, quando estávamos crescendo, procurando o empate, o juiz descobriu um pênalti e ai complicou. Nosso time foi bravo e o resultado foi muito largo pelo que apresentou o jogo.”

O técnico mantém a esperança sobre a classificação sul-africana. “Vai ser importante o resultado de amanhã. Pode ocorrer um empate amanhã entre França e México e a gente ganhar de 1 a 0 da França. Temos a obrigacão e a moral de fazer uma grande partida. Não pode desanimar. Só precisamos ser mais agressivos na hora de definir o jogo.”

Nenhum comentário: