segunda-feira, abril 26, 2010

A vantagem é de quem?

Santa Cruz e Náutico apenas empataram em 0 x 0 e agora precisam ir para o tudo ou nada na quarta-feira, no estádio dos Aflitos



Melhores momentos - Santa Cruz 0x0 Náutico - Arruda.


O primeiro jogo da semifinal entre Santa Cruz e Náutico, ontem, no Arruda, foi equilibrado e terminou em 0 x 0. Portanto, a decisão de quem deverá ir à final só sairá mesmo na próxima quarta-feira, às 21h50, nos Aflitos. Mas após o duelo no campo do Tricolor, uma pergunta ficou no ar: quem realmente conquistou a vantagem para o jogo "da volta"?


É bom lembrar que o questionável regulamento do Campeonato Pernambucano é o mesmo da Copa do Brasil, ou seja, não privilegia o Timbu, dono de uma melhor campanha que o rival na primeira fase da competição. Os comandados do técnico Dado Cavalcanti aprovaram o resultado por entenderem que é uma vantagem buscar a classificação com qualquer empate com gols. Já os atletas que são dirigidos por Alexandre Gallo gostaram de levar a decisão para o seu reduto. Um novo empate em 0 x 0 levará a decisão para os pênaltis. Certeza de bem mais emoção que o que aconteceu ontem.



Depois do jogo truncado, sem muita criatividade, restou às torcidas esperar um clássico mais quente na quarta-feira
Quando a bola rolou no Arruda, o que se viu foi um Náutico bem postado na marcação. Com isso, jogadores como Elvis e Jackson, que teriam que municiar os atacantes Joelson e Brasão não conseguiram criar muita coisa. Pelos lados de campo, apenas Gilberto Matuto arriscava um pouco mais, enquanto Marcos Mendes se limitava a ficar na marcação. Sem criatividade, o Tricolor ainda cedeu espaços para os contra-ataques alvirrubros, que eram sempre puxados pelos velocistas Carlinhos Bala e Bruno Meneghel.

As chances eram poucas por conta do jogo truncado mas, aos 21 minutos, faltou pouco para o Náutico abrir o placar. Derley roubou bola de Alysson, tabelou com Ramirez e passou para Carlinhos Bala. Com um toque, o atacante deixou Bruno Meneghel na cara do gol, mas ele acabou chutando para fora para a alegria de Tutti. O Santa Cruz respondeu em lance, com Joelson, aos 33, e, dois minutos depois, Glélson quase abre o placar para o Timbu.


No segundo tempo, o Alvirrubro voltou fazendo uma pequena pressão. Geílson obrigou Tutti a fazer uma boa defesa, aos 3, enquanto o zagueiroAlysson quase faz um gol contra a favor do Náutico, aos 6. Aos poucos, o Santa Cruz foi se acertando em campo e, a partir das mexidas feitas por Alexandre Galo, no adversário, o time coral passou a dominar as ações em campo. Mas o crescimento mesmo só veio nos minutos finais, quando Thiago Laranjeira e Dedé obrigaram Glédson a fazer boas defesas, respectivamente, aos 48 e 49 minutos de jogo na etapa final. Antes, aos 44, Joelson chegou a mandar a bola para a rede, mas o árbitro viu antes uma falta de Leandro Cardoso em Glédson. Ao final, as torcidas foram para casa esperando um Clássico das Emoções bem mais quente nos Aflitos.


Santa Cruz - 0

Tutti; Gilberto Matuto (Wellington), Leandro Cardoso, Alysson e Marcos Mendes; Goiano, Dedé, Jackson (Marcelinho) e Elvis (Thiago Laranjeira); Joelson e Brasão.
Técnico: Dado Cavalcanti


Náutico - 0

Glédson; Daniel (Márcio Tinga), Diego Bispo, Vinícius e Zé Carlos; Hamilton, Ramirez, Derley e Carlinhos Bala (Fernandão); Bruno Meneghel (Dinda) e Geílson.
Técnico: Alexandre Gallo


Local: Estádio do Arruda. Árbitro: Wilton Pereira de Sampaio (DF). Assistentes: Luciano Cruz e Pedro Wanderley. Cartão amarelo: Goiano, Elvis e Brasão (SC) e Daniel, Márcio Tinga, Derley e Ramirez (N). Público: 24.572. Renda: R$ 258.920,00.

Nenhum comentário: