segunda-feira, março 22, 2010

Vitória da afirmação de Dado Cavalcanti

Que o técnico Dado Cavalcanti está realizando um trabalho muito bom no Santa Cruz, já se sabia.


No entanto, para a sua afirmação uma vitória daquelas, num jogo difícil, contra um adversário forte.


Hoje foi o dia. O Santa venceu por merecidos 4 a 2 o clássico contra o Náutico.


E o treinador, após vencer seu primeiro clássico, sai ainda mais fortalecido.


Confesso que, quando Lori Sandri foi demitido, não acreditei que Dado pudesse fazer a diferença toda no Santa Cruz. A credencial do então assistente-técnico era ter feito bom trabalho na Copa Pernambuco em 2009, na qual foi campeão. No entanto a competição era quase amadora, não servindo de parâmetro para o quanto ele poderia render no Estadual. Em todo caso, serviu como bom cartão de visitas, um convite para o clube apostar nele.


Eu não acreditava numa grande evolução do time porque pensava que o problema era falta de qualidade mesmo dos jogadores.


No entanto, percebe-se que Dado resgatou jogadores como Léo e Gilberto Matuto, que Élvis cresceu muito de rendimento, assim como Goiano. O ex-auxiliar-técnico já conhecia os jogadores, sabia o que eles podiam render e contribuiu para isso, organizando a equipe taticamente.


A entrada de novos jogadores foi fundamental, é claro. Principalmente Brasão, que neste domingo não estava indo tão bem, mas decidiu a parada para o Santa. O goleiro Tutti também tem trazido segurança. Lori Sandri não teve tempo de tê-los atuando.


Mas a organização do time é muito maior. Dado conquistou a confiança dos jogadores e incutiu-lhes uma mentalidade vitoriosa, de buscar o jogo ofensivo, de forma aguerrida, com organização tática.


O Santa Cruz busca afirmação, busca crescimento, busca retomar seu espaço no cenário nacional. Nesse sentido, ter um técnico com o mesmo objetivo de crescer é um trunfo. Não que o experiente Lori Sandri não estivesse motivado. Mas de forma alguma ele tinha a gana que Dado tem de conduzir o Santa Cruz ao pelotão de frente no futebol brasileiro.


O atual técnico coral serviu como elemento aglutinador no clube; sua presença no comando deu vazão à vontade reprimida dos tricolores de voltar a serem grandes e trouxe uma sinergia muito positiva.


Não tenho dúvidas hoje de que o jovem treinador (faz 29 anos em 2010) pernambucano, natural de Arcoverde, é a pessoa certa para comandar o time na Série D nesta temporada.


Ouça no arquivo de áudio acima a entrevista com o técnico após a partida.

Nenhum comentário: