terça-feira, março 09, 2010

Torcida organizada do Náutico ataca alvirrubros do interior

Coringa

Chocante, inaceitável, revoltante.


A agressão sofrida por um (pré) adolescente de 12 anos, na saída do estádio dos Aflitos, por integrantes da uniformizada Fanáutico, é um dos casos mais absurdos da história do futebol pernambucano. Morador de Toritama, o torcedor realizava no sábado o sonho de assistir ao jogo Timbu pela primeira vez em Rosa e Silva.


A história foi revelada pelo médico alvirrubro Roberto Vieira, em seu blog (veja AQUI).


Na saída do estádio, o menino foi atacado com seu irmão por um bando de marginais vestidos com as cores do Náutico. Náutico que é seu clube de coração. Como estava entre torcedores do Ypiranga, foi tomado como inimigo da raça, alvo de fúria e ressentimento, objeto a ser destruído.


Seu corpo foi espancado selvagemente, chutado no chão, sacudido com terror contra o asfalto, esfacelado na noite da capital pernambucana, o mesmo Recife que comemorava aniversário da Revolução de 1817.


Jogaram-lhe pedras. Sacudiram-lhe paus. Gritaram-lhe palavras de guerra. Adolescentes e adultos cujo ritual no futebol consiste em ferir, agredir, aterrorizar e matar. Jovens que não têm nada a ver com o clube de Bita e Salomão, Ivan Brondi e Kuki. Jovens que se disfarçam de torcedores e são marginais.


O garoto sofreu várias fraturas. Está hospitalizado, em choque. Outros três jovens que estavam com ele (todos de uma caravana do Agreste) também foram agredidos.


Foram massacrados sem motivo algum. Apenas pelo nefasto prazer de agredir.


O prazer de ser covarde.


Por algo sem controle, chamado de “torcida organizada”. Faz a festa dentro do estádio e fora dele sofre uma metamorfose. Os marginais com as camisas desses grupos sempre são apontados como “invasores”. Então, que seja feito um controle. Ou então que se acabe mesmo… Cada vez mais o caminho aponta para a solução radical.


Antes, o fim das batucadas das torcidas Fanáutico, Jovem e Inferno Coral, do que um menino de 12 anos internado. A Polícia Militar precisa fechar o cerco de vez. Todos os limites já foram ultrapassados. No estádio, só quem gosta de futebol mesmo… No estádio, só quem é civilizado. Algo básico. Mas apenas na teoria.


Esse episódio foi revoltante. Está na capa do Diario (veja AQUI).


É o caos no futebol.


NOTA OFICIAL DO CLUBE NÁUTICO CAPIBARIBE

Por BERILLO ALBUQUERQUE

PRESIDENTE EXECUTIVO

O Clube Náutico Capibaribe, na pessoa do seu Presidente, vem se solidarizar com os torcedores agredidos covarde e criminosamente após a partida do último dia 06 de março de 2010, bem como seus familiares, manifestando total repúdio aos atos de violência praticados por esses bandidos, supostamente travestidos de torcedores do Clube.


A Diretoria Executiva faz questão de ressaltar que o Clube Náutico Capibaribe não fornece ingressos gratuitos as torcidas organizadas, não presta ajuda financeira as mesmas, nem tampouco facilita seu acesso ao estádio em dia de jogo. O tratamento é igual para todos os torcedores alvirrubros, membros de torcida organizada ou não, e somente os sócios do Náutico têm privilégios publicamente conhecidos.


A diretoria faz questão de ressaltar que tem colocado em prática uma série de medidas para melhorar a segurança do estádio Eládio de Barros Carvalho, inclusive com a contratação de mais seguranças privados e através da instalação de câmeras de vídeo dentro do estádio e nas ruas que compõem o entorno do Clube. As gravações em vídeo do dia da referida agressão já estão separadas e a disposição da autoridade policial.


O Clube Náutico Capibaribe continuará se precavendo e tomando medidas que estiverem à seu alcance para garantir a segurança de seus sócios e de todo e qualquer torcedor que vier freqüentar o estádio dos Aflitos, esperando que o policiamento nas vias públicas, onde ocorreu a referida agressão, seja incrementado. E que esses marginais sejam levados à Justiça e à prisão, onde devem pagar pelos crimes praticados.


Escrito por Roberto Vieira às 05h34

Nenhum comentário: