quarta-feira, março 31, 2010

A reestreia na Ilha


Após título de 2008, Sport volta a jogar em casa pela competição precisando de um 0 x 0
Em 2008, o Sport venceu as seis partidas disputadas na Ilha do Retiro durante a Copa do Brasil. Em casa, diante de um estádio lotado e com um clima instigante, o Rubro-negro formou a base de uma campanha que ficou para a história. A conquista que rendeu a segunda estrela dourada ao clube. Aquele 11 de junho, data da final contra o Corinthians, não sai da memória da torcida. Foi, também, o último jogo do Leão na Ilha pelo mata-mata nacional, com um longo hiato proporcionado pela participação na Taça Libertadores do ano passado. Hoje, às 21h50, o reencontro com aquele clima que resultou em jogos inesquecíveis, como o 4 x 1 no Palmeiras, o míssil de Durval contra o Inter e o profeta Carlinhos Bala na finalíssima. Nesta noite, uma estreia contra o Paraná Clube, em uma partida já apelidada de decisão pelo grupo leonino. Uma denominação bem ao estilo do torneio. Mas que tem fundamento.



Everton Felipe (C) pode ser o substituto de Ciro hojé à noite
Para avançar para as oitavas de final, o Sport precisa vencer ou empatar em 0 x 0. Um novo 1 x 1, placar do jogo de ida, em Curitiba, leva para os pênaltis. Não por acaso, o elenco "convocou" a torcida para a partida. Com um bilhete de geral a R$ 7, a expectativa é de um público de pelo menos 20 mil pessoas. Até mesmo o contido técnico Givanildo Oliveira fez campanha. "Espero contar com a nossa torcida. E que ela tome como lição o título que o Sport ganhou com a sua ajuda. Se o torcedor soubesse a sua força# Fui jogador e sei que esse incentivo faz muita diferença", afirmou o treinador, que vem estudando bastante o Paraná, que já disputa a fase final do Paranaense.


"O Paraná tem muita tradição. Não vinha bem, mas venceu o último jogo no Estadual por 4 x 1 (contra o Paranavaí). Essa competição é difícil. Estou até hoje lamentando não ter feito o 2º gol em Curitiba", disse Givanildo, se referindo ao pênalti perdido pelo meia Eduardo Ramos aos 37 minutos do segundo tempo.


O experiente Dutra, que completará 200 partidas pelo Leão no domingo, contra a Cabense, foi um dos destaques da vitoriosa campanha de 2008. O jogador reconheceu que foiem casa que o time consolidou o título. De acordo com lateral-esquerdo de 36 anos, sufocar o adversário com a pressão da arquibancada é o primeiro passo para a obter a classificação, da primeira à última fase. Algo que não poderá falta neste confronto. "Aquele título foi um momento especial para todos. A torcida jogava 90 minutos com a gente. Vencemos muitos jogos difíceis por causa dela", disse.


Sport

Magrão; Igor, César e Dirley; Júlio César, Daniel Paulista (Ricardinho), Zé Antônio, Eduardo Ramos e Dutra; Ciro (Everton Felipe) e Dairo. Técnico: Givanildo Oliveira


Paraná

Juninho; Alessandro Lopes, Luiz Henrique e Diego Correia; Jefferson, Chicão, João Paulo, Everton e Pará; Márcio Diogo e Marcelo Toscano. Técnico: Marcelo Oliveira


Local: Ilha do Retiro. Horário: 21h50. Árbitro: Arílson Bispo da Anunciação (BA) Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (FIFA-BA) e Arnaldo Rodrigues de Souza (CE). Ingressos: R$ 7 (geral), R$ 10 (sócio e estudante), R$ 20 (arquibancada), R$ 30 (cadeira sócio, cadeira ampliação e assento especial) e R$ 50 (cadeira não sócio).



Nenhum comentário: