quarta-feira, março 31, 2010

A bombonilha está voltando...

A hora de incendiar.

De retomar aquele clima instigante, decisivo, vencedor.


Uma pressão difícil de suportar.


Para o rival suportar!


Funcionou em 2008.


Obra do acaso? Possivelmente.


Mas foram 6 vitórias em 6 jogos no inferno da Ilha do Retiro.


Uma situação única na história do estádio. Nunca a casa do Sport foi tão importante numa conquista. Um título que se confunde com a própria a Ilha, diga-se.


Talvez por isso digam que ela tem vida própria…


Nem sempre dá certo, é bom lembrar. Por isso, é bom que o time rubro-negro faça a sua parte também. Entre aceso, como o mata-mata exige. É regra.



O apoio contra o Paraná na noite desta quarta-feira está mais do que garantido.


A morosidade do Pernambucano pede licença e cede o espaço à emoção.


Seja bem-vinda à Ilha do Retiro, Copa do Brasil.


O campo acidentado estava com saudades.

#caosnailha

100 ônibus quebrados.


Esse foi o saldo dos vândalos no Clássico das Multidões do último domingo, segundo o consórcio Grande Recife, que administra o transporte público na região metropolitana.


Ônibus quebrados em todos os acessos possíveis até a Ilha do Retiro.


Um ônibus quebrado a cada 14 minutos em um dia. E olhe que a conta foi bruta, considerando 24 horas, mas a faixa de tempo da anarquia foi bem menor.


Um recorde no estado!


O maior índice de veículos danificados desde que a estatística começou a ser contabilizada, em 2007. Um prejuízo de R$ 34 mil para as empresas de transporte.


Um exemplo forte do #caosnailha, tag do twitter que ficou popular durante a partida que terminou com vitória leonina.


Mas o objetivo da tag era a gozação, numa referência direta ao #caosnopina, que parou a cidade com longos engarrafamentos na quinta-feira, após um protesto.


Agora, a tag acabou sendo compreendida na sua forma direta mesmo.


E já vou ampliando: #caosnosclassicos.


O cadastro das torcidas uniformizadas precisa ser feito urgente. Já está agendado, mas é pra ontem!


O clássico não foi Sport versus Santa Cruz, mas sim Torcida Jovem x Inferno Coral.


Como todos estão cansados de saber…

Santa é multado em R$ 5 mil por confusão no Arruda


Reprodução / TV Globo

Tricolor conseguiu livrar na Justiça Desportiva a punição que previa perda de mando de campo



O Santa Cruz conseguiu livrar a perda de mando de campo, mas não escapou de uma multa de R$ 5 mil aplicada pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). A punição foi provocada por uma confusão dentro do Arruda no clássico contra o Sport no dia 3 de fevereiro. Na ocasião, os torcedores rubro-negros foram atingidos por objetos arremessados pela torcida tricolor, entre eles um vaso sanitário arrancado do banheiro do estádio.



No julgamento, o clube se livrou da pena imposta no artigo 213, que prevê multa de R$ 50 mil até R$ 500 mil e perda de um a três mandos de campo. Mas acabou sendo enquadrado no artigo 211, que trata da responsabilidade do clube em garantir a segurança dos torcedores dentro do estádio.



Para este artigo, a pena varia entre R$ 5 mil e R$ 50 mil. Apesar de ter pego a pena mínima, a diretoria tricolor afirma que vai recorrer da decisão.



Texto integral dos artigos:



Art. 211. Deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infraestrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização. PENA: multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais) e interdição do local, quando for o caso, até a satisfação das exigências que constem da decisão.



Art. 213. Deixar de tomar providências capazes de prevenir ou reprimir desordens em sua praça de desportos. PENA: multa de R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais) a R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) e perda do mando de campo de uma a três partidas, provas ou equivalente quando participante da competição oficial.

Náutico não terá Hamilton contra o Vitória


Reprodução / TV Globo

Além do volante, lesionado, também ficam fora do jogo desta quarta-feira Derley e Vinícius, suspensos



O Náutico viajou para Salvador sem o volante Hamilton. O jogador está mesmo fora da partida contra o Vitória, às 21h50 desta quarta-feira (31), pela Copa do Brasil. Além de Hamilton, lesionado, o técnico Alexandre Gallo não terá o zagueiro Vinícius e o volante Derley, suspensos.



Gallo fez um treino no campo do Bahia nesta terça-feira e já definiu a equipe titular, mas só irá revelar momentos antes da partida. Tudo indica que as vagas deixadas por Hamilton e Derley no meio-campo sejam ocupadas por Gomes e Nilson.



Na vaga deixada por Vinícius, o trio de zagueiros deve ser formado por Ediglê, Diego Bispo e Igor. Assim, a provável escalação alvirrubra deve ser: Gustavo, Ediglê, Diego Bispo e Igor; Tinga, Nilson, Gomes, Dinda e Zé Carlos; Bruno Meneghel e Carlinhos Bala.


Zé Carlos, que pode voltar a atuar na ala esquerda, acredita que o Náutico pode reverter o placar mesmo jogando no Barradão. "Estamos muito preparados e focados para essa partida. E da mesma maneira que eles nos venceram nos Aflitos, agente pode vencer eles em Salvador. Sabemos do resultado que temos que atingir e vamos jogar para frente, sempre procurando um bom resultado", afirmou ao site oficial do Náutico.



Como perdeu o jogo de ida por 1 a 0, o Náutico precisa de uma vitória com dois gols. Mesmo que a diferença do placa seja por um gol, ao marcar duas vezes fora de casa, o Timbu levará vantagem no critério de desempate. A vitória por 1 a 0 para os alvirrubros leva a decisão para os pênaltis e o empate dá a vaga a equipe baiana.



Jogadores relacionados para o jogo:



Goleiros: Gustavo e Leonardo
Laterais: Daniele Rafael Foster
Zagueiros: Gomes, Edglê, Diego Bispo e Igor
Volantes: Tinga, Nilson e Eduardo Eré
Meias: Dinda, Tarcio, Felipe Pinto e Zé Carlos
Atacantes: Rodrigo Dantas, Geilson, Bruno Meneghel e Carlinhos Bala

A reestreia na Ilha


Após título de 2008, Sport volta a jogar em casa pela competição precisando de um 0 x 0
Em 2008, o Sport venceu as seis partidas disputadas na Ilha do Retiro durante a Copa do Brasil. Em casa, diante de um estádio lotado e com um clima instigante, o Rubro-negro formou a base de uma campanha que ficou para a história. A conquista que rendeu a segunda estrela dourada ao clube. Aquele 11 de junho, data da final contra o Corinthians, não sai da memória da torcida. Foi, também, o último jogo do Leão na Ilha pelo mata-mata nacional, com um longo hiato proporcionado pela participação na Taça Libertadores do ano passado. Hoje, às 21h50, o reencontro com aquele clima que resultou em jogos inesquecíveis, como o 4 x 1 no Palmeiras, o míssil de Durval contra o Inter e o profeta Carlinhos Bala na finalíssima. Nesta noite, uma estreia contra o Paraná Clube, em uma partida já apelidada de decisão pelo grupo leonino. Uma denominação bem ao estilo do torneio. Mas que tem fundamento.



Everton Felipe (C) pode ser o substituto de Ciro hojé à noite
Para avançar para as oitavas de final, o Sport precisa vencer ou empatar em 0 x 0. Um novo 1 x 1, placar do jogo de ida, em Curitiba, leva para os pênaltis. Não por acaso, o elenco "convocou" a torcida para a partida. Com um bilhete de geral a R$ 7, a expectativa é de um público de pelo menos 20 mil pessoas. Até mesmo o contido técnico Givanildo Oliveira fez campanha. "Espero contar com a nossa torcida. E que ela tome como lição o título que o Sport ganhou com a sua ajuda. Se o torcedor soubesse a sua força# Fui jogador e sei que esse incentivo faz muita diferença", afirmou o treinador, que vem estudando bastante o Paraná, que já disputa a fase final do Paranaense.


"O Paraná tem muita tradição. Não vinha bem, mas venceu o último jogo no Estadual por 4 x 1 (contra o Paranavaí). Essa competição é difícil. Estou até hoje lamentando não ter feito o 2º gol em Curitiba", disse Givanildo, se referindo ao pênalti perdido pelo meia Eduardo Ramos aos 37 minutos do segundo tempo.


O experiente Dutra, que completará 200 partidas pelo Leão no domingo, contra a Cabense, foi um dos destaques da vitoriosa campanha de 2008. O jogador reconheceu que foiem casa que o time consolidou o título. De acordo com lateral-esquerdo de 36 anos, sufocar o adversário com a pressão da arquibancada é o primeiro passo para a obter a classificação, da primeira à última fase. Algo que não poderá falta neste confronto. "Aquele título foi um momento especial para todos. A torcida jogava 90 minutos com a gente. Vencemos muitos jogos difíceis por causa dela", disse.


Sport

Magrão; Igor, César e Dirley; Júlio César, Daniel Paulista (Ricardinho), Zé Antônio, Eduardo Ramos e Dutra; Ciro (Everton Felipe) e Dairo. Técnico: Givanildo Oliveira


Paraná

Juninho; Alessandro Lopes, Luiz Henrique e Diego Correia; Jefferson, Chicão, João Paulo, Everton e Pará; Márcio Diogo e Marcelo Toscano. Técnico: Marcelo Oliveira


Local: Ilha do Retiro. Horário: 21h50. Árbitro: Arílson Bispo da Anunciação (BA) Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (FIFA-BA) e Arnaldo Rodrigues de Souza (CE). Ingressos: R$ 7 (geral), R$ 10 (sócio e estudante), R$ 20 (arquibancada), R$ 30 (cadeira sócio, cadeira ampliação e assento especial) e R$ 50 (cadeira não sócio).



Santa Cruz conta com a volta de quatro jogadores que estavam no DM

Reprodução/TV Globo


No Santa Cruz, é hora de esquecer a derrota no clássico e se concentrar no jogo da volta contra o Botafogo, quinta-feira (1º), no Rio de Janeiro. Na última segunda-feira (29), o técnico Dado Cavalcanti recebeu uma boa notícia: quatro jogadores deixaram o departamento médico (DM).



“A gente fica analisando onde a gente errou mas procura ao mesmo tempo esquecer e já pensar no próximo adversário”, ponderou o atacante Joelson.



Esse foi o espírito do grupo tricolor na reapresentação. A prancheta do treinador já está vazia novamente, esperando ser preenchida com a escalação da próxima partida. É na quinta-feira, pela Copa do Brasil. O Tricolor precisa vencer por pelo menos 1x0 para decidir a vaga nos pênaltis.



“O pensamento é da gente ir para o Rio e fazer os gols, já que as oportunidades foram criadas em casa e a gente acabou não conseguindo concluir a gol”, disse o goleiro Tuti.



E a boa notícia do início da semana estava dando voltas no gramado. Quatro jogadores liberados pelo departamento médico. Gilberto Matuto, Baiano, Dedé, e André Leonel. Agora é recuperar o condicionamento até o dia do jogo.



“A gente vai, se por acaso entrar em campo, sentir um pouco a parte física, mas a gente deixa o pessoal aí nos avaliar se até quinta-feira a gente tem condições físicas de entrar em campo”, afirmou o lateral Gilberto Matuto.



Ciro e Daniel Paulista devem enfrentar o Paraná


Reprodução / TV Globo

De acordo com o médico do Sport, jogadores apresentaram melhoras e devem ser liberados para jogo desta quarta-feira



O atacante Ciro o volante Daniel Paulista melhoraram consideravelmente e as chances deles entrarem em campo quarta-feria (31) contra o Paraná são grandes. As previsão é do médico do clube, Hamilton Crócia, que reavaliou os jogadores nesta terça-feira. De acordo com ele, os dois participaram normalmente do treino desta tarde e e foram relacionados para a partida.



Ciro e Daniel Paulista sofreram uma entorse no tornozelo no clássico contra o Santa Cruz, no último domingo. Os dois se disseram vítimas da má conservação do gramado da Ilha do Retiro. Entretanto, os dois jogadores ainda serão reavaliados momentos antes do jogo.



O Sport enfrenta o Paraná pela partida de volta da Copa do Brasil, às 21h50 desta quarta-feira, na Ilha do Retiro. Como o primeiro jogo terminou com o placar de 1 a 1, um empate sem gols garante a classificação do Leão para a terceira fase da competição.

Ataque será fundamental hoje

No confronto contra o Vitória, a responsabilidade do ataque do Náutico será maior que a habitual. O rápido setor ofensivo alvirrubro passou pelo momento mais complicado da temporada justamente contra os baianos, quando perdeu várias oportunidades claras de gol. O atacante Bruno Meneghel, por exemplo, foi um dos mais criticados por conta da sua falta de pontaria na partida e, agora, junto com os companheiros, sabe que não vai poder vacilar no Barradão.

“O time está criando boas chances. Acredito que o ataque está em um bom momento. Mas naquele jogo, realmente, houve falhas nas finalizações, e vamos em busca de um melhor aproveitamento agora”, declarou Meneghel. O jogador disse ainda que os atletas estão mais preparados no atual momento. “Acho que a ansiedade diminuiu. Isso facilita bastante na hora das conclusões. Além disso, fizemos alguns trabalhos técnicos importantes, já que não tivemos muito tempo para trabalhar isso durante a pré-temporada”, acrescentou.

Em conversa com os atletas, o técnico Alexandre Gallo avisou que o time não pode se precipitar. A necessidade de marcar gols não pode ser confundida com pressa. “Temos os 90 minutos para construir um resultado que nos classifique. Não podemos começar o jogo desesperados”, destacou o treinador alvirrubro. “Na partida, vamos ter que trabalhar a bola com qualidade e aproveitar bem os espaços, de forma organizada. Não vamos abdicar dos cuidados defensivos”, afirmou Gallo.

Equipe baiana em situação cômoda

Ao contrário do Náutico, o Vitória entra no campo do Barradão sem qualquer tipo de pressão. Além de atuar em casa, a equipe rubro-negra conseguiu se classificar às semifinais do Campeonato Baiano de forma antecipada, no último fim de semana, e ainda tem, hoje, a vantagem de jogar pelo empate. O melhor para o lado rubro-negro de Salvador é que as boas notícias ainda não acabam. Depois de ficar ausente na partida dos Aflitos, o atacante Júnior, expulso no segundo duelo contra o Corinthians/AL, pela Copa do Brasil, foi julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), ontem, e acabou absolvido. Dessa maneira, o Diabo Loiro, como passou a ser chamado pela torcida, é a principal arma ofensiva do time. Ele é o artilheiro da equipe na temporada com dez gol marcados.

Com a confirmação do atacante, o treinador baiano Ricardo Silva deve repetir os 11 titulares que atuaram na última rodada do Estadual e venceram o Vitória da Conquista por um magro 1x0, assegurando a vaga antecipada para as semifinais da competição. Segundo informação da Imprensa local, o Vitória, apesar de ter conseguido bons resultados, ainda não convenceu.

Com um elenco sem grandes investimentos, a maior estrela é o veterano meia Ramon. Ele é o cérebro da equipe.

Náutico no jogo do “Erro Zero”

Jogadores do Timbu sabem que para eliminar o Vitória vão precisar se superar

Em noite de Copa do Brasil, o Náutico aposta na rivalidade, no equilíbrio do duelo nordestino. “Se eles venceram nos Aflitos, nós podemos vencer em Salvador”, garantiu o volante Márcio Tinga. Às 21h50, o Timbu enfrenta o Vitória, no Barradão, com o intuito de reverter a derrota por 1x0 que sofreu dentro dos seus domínios. Vacinados, os alvirrubros sabem que para avançar na competição precisam aproveitar bem as oportunidades criadas, algo que não aconteceu na primeira partida.

Sempre articulado, o meia Zé Carlos, que ainda pode ser utilizado como lateral-esquerdo, pois o técnico Alexandre Gallo não forneceu pistas sobre a equipe que deve atuar na Bahia, criou uma nova expressão para definir o modo com que o Timbu deve entrar em campo. “Contra o Vitória, vamos ter que fazer o jogo do ‘Erro Zero’. Uma bobeada e nossos planos podem ir pelos ares. Na primeira partida, jogamos bem, mas pecamos na hora de empurrar a bola para dentro”, comentou o jogador.

“A gente esperou muito por esse momento nos últimos dias, por não termos conseguido a vitória nos Aflitos. É um resultado que pesou muito nesse início de temporada, e agora vamos ter a oportunidade de reverter essa situação na Copa do Brasil”, ressaltou Zé Carlos.

Assim como no primeiro confronto, o técnico Alexandre Gallo decidiu não divulgar a escalação da equipe. Sabe-se apenas que Gallo vai ter Márcio Tinga novamente à disposição, depois que o jogador cumpriu suspensão na última rodada do Campeonato Pernambucano. O jogador já foi improvisado no lado esquerdo da defesa e não comprometeu. Com isso, Gallo poderia manter um esquema mais ofensivo, com dois meias - Dinda e Zé Carlos.

“Tenho a equipe definida na minha cabeça. Não vou levar nenhuma dúvida para o jogo. Mas prefiro guardar a escalação até a hora do jogo, pois vai ser um duelo muito complicado, não podemos facilitar a vida do Vitória”, destacou o treinador alvirrubro. Outra dúvida que Gallo deixou no ar foi o substituto do volante Derley, suspenso. Com Hamilton também fora, por conta de uma contusão no tornozelo, Nílson deve ter a missão de defender a cabeça de área ao lado de Gomes.

Mesmo com as mudanças obrigatórias, o goleiro Gustavo afirmou que a equipe está confiante para o confronto. “As dificuldades têm fortalecido o nosso grupo. Estamos passando por um momento de muita união dentro do elenco, com todos querendo ajudar, participar. Acho isso fundamental para que a gente consiga reverter esse quadro diante do Vitória”.

Vitória: Viáfara; Nino, Wallace, Anderson Martins e Egídio; Vanderson, Uelliton, Bida e Ramon; Renato e Júnior. Técnico: Ricardo Silva

Náutico: Gustavo; Daniel, Ediglê, Vinícius e Márcio Tinga; Derley, Hamilton, Dinda e Zé Carlos; Carlinhos Bala e Bruno Meneghel. Técnico: Alexandre Gallo.

Local: Barradão (Salvador)

Horário: 21h50

Árbitro: Alício Pena Júnior (MG)

Assistentes: Márcio Eustáquio (MG) e Renison Nunes Freire (SE)

Dedé é a nova aposta de Dado

Após testar Serginho e Miolo, técnico escolheu o volante para substituir Jackson

Nos últimos jogos, o técnico Dado Cavalcanti vem encarando uma missão bastante complicada, que é encontrar o substituto ideal do meia Jackson. Sem contar com o atleta, no Departamento Médico desde a vitória por 4x2 sobre o Náutico, Dado vai testar mais uma opção para o lugar dele. Depois de utilizar Serginho e até improvisar o lateral Edson Miolo no setor, o treinador do Santa Cruz escolheu outra peça. Para o confronto diante do Botafogo, amanhã, às 21h30, no Engenhão, o escolhido para substituir o maestro coral deve ser o volante Dedé.

A entrada do atleta não foi confirmada por Dado, mas no treinamento de ontem, realizado no Arruda, Dedé participou entre os titulares. Apesar de ser volante de origem, ele deve jogar com um pouco mais de liberdade para chegar ao ataque, enquanto Goiano e Léo vão ter a incumbência de ajudar na defesa. “Vou ajudar na marcação, mas terei liberdade para chegar nos homens de ataque. Já atuei como terceiro volante. Não vou ter dificuldade para chegar mais na frente”, afirmou Dedé.

No clube há mais de dois meses, o atleta não teve grandes oportunidades de mostrar o seu futebol para a torcida do Mais Querido. A única atuação dele com a camisa coral foi no dia 7 de março, quando a Cobra Coral, no Arruda, derrotou a Cabense por 1x0. Após a partida, Dedé, por causa de uma inflamação do ligamento colateral no joelho direito, foi parar no Departamento Médico, sendo liberado apenas na sexta-feira da semana passada.

Para o volante, a falta de ritmo de jogo e a desvantagem de entrar em campo precisando reverter a derrota por 1x0 do primeiro jogo não serão problemas. O jogador ainda comentou que é melhor voltar a encarar uma equipe da Série A em vez de times do Campeonato Pernambucano. “O Botafogo é um time grande, que deixa jogar. Nós não podemos falhar. Na primeira partida, nós erramos uma vez e perdemos o jogo. Vamos em busca de uma vitória. Com todo o respeito, o Botafogo não é nada demais”, comentou.

Mais uma vez, o lateral-direito Gilberto Matuto e o zagueiro Leandro Cardoso não serão relacionados para o confronto. Sem lateral à disposição, Dado continuará improvisando o volante Wellington no setor. Na zaga, Luiz Eduardo segue como titular. Depois de atuar sem sucesso como meia, Edson Miolo retorna para a lateral esquerda. No treino de ontem, o meia Élvis saiu do campo mais cedo que o restante do elenco. Por conta do desgaste dos últimos jogos, o jogador foi poupado de parte da movimentação, mas segundo os médicos, ele está garantido no duelo de amanhã.

Paranaenses vêm empolgados

Acabar a invencibilidade do Sport na temporada, destronar o Leão dentro da Ilha do Retiro e, por consequência, classificar-se para a terceira fase da Copa do Brasil. Estes são os objetivos declarados do Paraná, que enfrenta o Rubro-negro logo mais. Ter clara noção das metas não quer dizer, é claro, que elas são fáceis de serem cumpridas. O time do Sul do País sabe disso, mas não se intimida e pretende surpreender o líder do Pernambucano dentro de seus domínios.

Para isso, o treinador Marcelo Oliveira deve apostar na sequência. Embora tenha feito um treinamento fechado, ontem, no estádio dos Aflitos, e se recuse a divulgar a escalação com antecedência, é improvável que o comandante faça mudanças drásticas em relação ao time que venceu o Paranavaí, por 4x1, na última rodada válida pelo Estadual. O esquema 3-5-2 deve ser mantido. Uma das poucas alterações é a saída do defensor Irineu, suspenso. Alessandro Lopes, possivelmente, será o escolhido para substitui-lo. A outra deve ser na ala direita. Jeferson volta de suspensão e retomará seu lugar entre os titulares.

Contudo, a principal esperança do Tricolor está mesmo depositada nos pés do atacante Marcelo Toscano. Artilheiro do time na temporada, com nove gols, e na Copa do Brasil, com três tentos anotados, é ele o jogador que pode dar mais dor de cabeça à torcida rubro-negra. A rádios e jornais locais, o atleta se mostrou confiante e disse que, embora saiba das dificuldades, o time pode se classificar caso jogue empenhado.

Sport só precisa não tomar gol

Leão se classifica à próxima fase se empatar por 0x0 ou vencer o Paraná, hoje

Passeando no Estadual, o Sport deixa a competição de lado esta noite e joga as suas fichas diante do Paraná, às 21h50, na Ilha do Retiro, para conseguir sobreviver na Copa do Brasil 2010. Para se manter vivo na disputa pelo bicampeonato da competição, os rubro-negros precisam “apenas” não tomar gol. No jogo de ida, em Curitiba, as duas equipes empataram por 1x1. Sendo assim, nesta partida de volta, o Leão atua por empate sem gols ou uma vitória simples para carimbar o passaporte para as oitavas de final. Em caso de um novo 1x1, a vaga será decidida em cobranças de pênalti. Empate por 2x2 em diante dá a classificação aos paranaenses, já que o número de gols marcado fora de casa é um dos critérios de desempate na Copa do Brasil. O vencedor deste confronto pega o sobrevivente da disputa entre Atlético Mineiro e Chapecoense/SC.

Sem poder contar com o volante Tobi, expulso no primeiro jogo, os rubro-negros não perdem a esperança e esperam até minutos antes do confronto para tentar contar com Daniel Paulista e Ciro, duas peças fundamentais para o esquema armado pelo treinador Givanildo Oliveira. Ambos sofreram uma entorse no tornozelo direito, no último domingo, no Clássico das Multidões, e ainda são dúvida para enfrentar os paranaenses.

Um dia após o jogo contra o Santa Cruz, a expectativa dos médicos leoninos e dos próprios jogadores indicava que eles não teriam condições de atuar, já que o tempo para recuperação era muito curto. Porém, ontem à tarde, tanto o volante como o atacante realizaram um trabalho específico na piscina do clube, e a evolução do quadro dos dois foi animadora.

Para Amilton Crócia, médico do Sport, a evolução na recuperação das lesões surpreendeu o próprio Departamento Médico, e eles serão avaliados horas antes da partida de hoje à noite para definir se eles jogam ou não.

Preferindo não informar quem serão os substitutos de Daniel Paulista e Ciro, caso eles não joguem, o treinador Givanildo Oliveira só adiantou que Dirley será o substituto de Tobi, com Igor e César completando o trio de zagueiros. Porém, pelos 19 jogadores relacionados pelo comandante leonino para este confronto, é possível se ter uma ideia das possíveis escolhas do treinador.

No meio de campo, caso Daniel Paulista não jogue, Eduardo Ramos deve ser recuado para a função de segundo volante e, assim, Ricardinho ganharia a função de municiar os atacantes. Na dupla de ataque, Dairo é o único garantido. Se Ciro não conseguir reunir condições físicas de jogo, o seu substituto deverá ser Éverton Felipe, revelado nas categorias de base do Sport e promovido ao profissional nesta temporada.

Já tendo atuado entrando apenas no decorrer dos jogos, o jovem atacante deve ganhar sua chance como titular logo numa decisão para os leoninos. “O professor Givanildo (Oliveira) ainda não conversou comigo, mas espero essa oportunidade. E se ela aparecer neste jogo, vou dar o meu melhor”, disse Éverton.

Sport: Magrão; Igor, César e Dirley; Júlio César, Zé Antônio, Daniel Paulista (Eduardo Ramos), Eduardo Ramos (Ricardinho) e Dutra; Ciro (Éverton Felipe) e Dairo. Técnico: Givanildo Oliveira

Paraná: Juninho; Alessandro Lopes, Luiz Henrique e Diego Correia; Jefferson, Chicão, João Paulo, Everton e Pará; Márcio Diogo e Marcelo Toscano

Local: Ilha do Retiro

Horário: 21h50

Árbitro: Arilson Bispo da Anunciação (BA)

Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (Fifa/BA) e Arnaldo Rodrigues de Souza (CE)

Ingressos: R$ 20 (inteira); R$ 10 (meia-entrada); R$ 7 (gerais do placar e da sede); R$30 (cadeira para sócio, ampliação e assento especial); R$ 50 (cadeira não-sócio)

terça-feira, março 30, 2010

Joanna Maranhão será porta-bandeira em Medellín


Sul-americano // Pernambucana vai comandar a delegação brasileira na cerimônia final


Dona de seis medalhas - cinco de ouro e uma de bronze - a pernambucana Joanna Maranhão foi o principal destaque dos Jogos Sul-americanos de Medellín 2010, que terminam hoje à noite. A nadadora, finalista olímpica em Atenas 2004, foi escolhida como porta-bandeira da equipe brasileira na competição. Com a intenção de integrar ainda mais o público e os esportistas, os organizadores optaram por um desfile aberto na despedida do evento e assim conduzirá a delegação nacional pela Avenida San Juan, uma das principais da cidade colombiana.


Joanna Maranhão coroa desempenho em Medellín como porta-bandeira

A natação foi a modalidade que mais medalhas rendeu ao Brasil durante os Jogos. Em apenas três dias de natação, a pernambucana venceu os 200m borboleta, 200m medley, 400m livre, 400m medley e o revezamento 4x200m livre; e ainda foi terceira colocada nos 800m livre.


Diante de milhares de pessoas, a atleta viverá uma emoção diferente e terá a honra de carregar a bandeira brasileira no encerramento da mais importante competição do continente sul-americano. "Esta é a primeira vez quetenho essa honra e agradeço ao Comitê Olímpico Brasileiro por ter lembrado do meu nome. Atletas consagrados como o Thiago Pereira já tiveram esse prazer. Para mim será muito emocionante", comemorou Joanna, que completa 23 anos em abril.


Há seis anos, nos Jogos de Atenas, Joanna tornou-se a primeira brasileira a classificar-se para uma final olímpica em 56 anos, desde Piedade Coutinho, nas Olimpíadas de Londres/1948. Na ocasião, terminou os 400m medley em quinto lugar. "Esta escolha foi mais do que merecida, pois Joanna renasceu nesta competição e vem tendo sua melhor atuação na carreira, desde a final olímpica dos Jogos de Atenas, em 2004. Sua performance em Medellín abre perspectivas muito boas para a natação feminina visando os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012", disse Coaracy Nunes Filho, presidente da CBDA.


Vôlei - A Seleção Brasleira feminina de volei derrotou a Argentina por 3 sets a 0, ontem, e conquistou a medalha de ouro dos Jogos Sul-americanos Medellín 2010. A partida, realizada no Parque Estádio Sur, em Envigado, região metropolitana de Medellín, teve parciais de 25/22, 25/17 e 25/15. O Brasil está representado pela equipe sub-23.


A nadadora Joanna Maranhão será a porta-bandeira do Brasil na Cerimônia de Encerramento dos Jogos Sul-Americanos de Medellín, nesta terça-feira, na Colômbia. A festa tem início programado para as 21h (de Brasília) e acontece na Avenida San Juan, uma das principais da cidade.

"Esta é a primeira vez que tenho essa honra e agradeço ao Comitê Olímpico Brasileiro por ter lembrado do meu nome. Atletas consagrados como o Thiago Pereira já tiveram esse prazer. Para mim será muito emocionante", disse a atleta, que conquistou cinco medalhas de ouro e uma de bronze em Medellín.


Ela foi para a Colômbia e ganhou seis medalhas - cinco ouros e um bronze. De lambuja, derrotou adversárias de potência, como a argentina Georgina Bardach, duas vezes medalhista olímpica em provas de medley. Hoje, ainda em Medellín, a partir das 21h, a nadadora pernambucana Joanna Maranhão desfila pela avenida San Juan, uma das principais da cidade, como porta bandeira da equipe brasileira na Cerimônia de Encerramento dos Jogos Sul-Americanos 2010. A escolha foi do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), que elegeu a esportista pelo seu impecável desempenho na competição, a melhor atuação de uma brasileira na disputa.

Em apenas três dias de natação, a pernambucana venceu os 200 metros borboleta, os 200 metros medley, os 400 metros livre, os 400 metros medley e o revezamento 4x200 metros livre. Para completar, foi terceira colocada nos 800 metros livre. Irretocável, o feito foi considerado o renascimento da nadadora, que desde a final olímpica de 2004, em Atenas, vinha tendo uma atuação regular, porém, sem avanços significativos. O momento é considerado propício, já que abre perspectivas para os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. “A conclusão que tiro deste campeonato é que quando a gente planta, pode até demorar, mas uma hora a gente colhe. E digo ‘A GENTE’ em letras maiúsculas porque ninguém é nada sozinho. Portanto, muito obrigada mesmo a todos que torceram por mim”, comemorou a atleta na sua página de microblog da internet.


A projeção da pernambucana rendeu, inclusive, comentários do presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Coaracy Nunes, que não tem uma relação das mais amistosas com a nadadora. “Esta escolha foi mais do que merecida. Joanna vem tendo sua melhor atuação na carreira desde 2004, em Atenas. Sua performance em Medellín abre perspectivas muito boas para a natação feminina visando os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012”, disse. Diante de milhares de pessoas, em um desfile aberto, Joanna vai carregar a bandeira brasileira no encerramento da competição considerada a mais importante do continente sul-americano. “Esta é a primeira vez que tenho essa honra e agradeço por terem lembrado do meu nome. Atletas consagrados como Thiago Pereira já tiveram esse prazer. Para mim será muito emocionante”, falou.


Vôlei


A seleção brasileira feminina de vôlei derrotou a Argentina por 3 sets a 0, ontem, e conquistou a medalha de ouro nos Jogos Sul-Americanos de Medellín. A partida teve parciais de 25/22, 25/17 e 25/15. O Brasil foi representado pela equipe sub-23 na competição continental.

A maldição do gramado da Ilha


Lista de jogadores que tiveram lesões devido à má conservação do campo já chega a 10


"O gramado está sendo muito prejudicial a todos os atletas que jogam aqui e mais ainda ao Sport. Prejudica todo o espetáculo e acaba sendo uma falta de respeito ao torcedor. Já perdemos vários jogadores e a diretoria tem que ter consciência que o gramado não ajuda". A avaliação foi feita ontem pelo atacante Ciro. Artilheiro do time com 12 gols no Pernambucano e decisivo no clássico contra o Santa Cruz, domingo, na Ilha do Retiro. O jogador foi a última vítima do péssimo gramado do estádio rubro-negro. Torceu o tornozelo direito e não enfrenta o Paraná Clube, amanhã, pela Copa do Brasil. E não foi só ele. O volante Daniel Paulista também sofreu entorse no tornozelo e também não deve jogar.


Gramado foi pintado para a Taça Libertadores para maquiar imperfeições e até agora só são feitos apenas paliativos


Mas se olharmos para trás, a conta de acidentados no gramado da Ilha do Retiro é bem mais extensa. Nos últimos quatro anos dez jogadores tiveram lesões decorrentes da má conservação do piso de jogo ou com uma participação indireta dela. E, por sinal, todos atletas do clube rubro-negro (veja a relação). Alguns desses atletas ficaram afastados por longos períodos de suas atividades. Caso de Daniel Paulista (nove meses), Adriano Pimenta (só retorna na Série B), Wilson, que vai ficar fora do restante do Pernambucano e Nádson que só deve voltar na reta final do Estadual.

O prejuízo do clube está sendo enorme. Perde rendimento dentro de campo com o afastamento destes jogadores para tratar suas lesões. A direção do clube faz vista grossa. Sabe que precisa fazer um trabalho completo no palco da Ilha do Retiro. Usa a desculpa da falta de tempo para resolver o problema. E, assim, segue realizando paliativos no gramado. A cada intervalo de jogo os funcionários entram em campo para tapar alguns buracos com areia.

Na véspera da estreia do Sport na Copa Libertadores da América, o Diario flagrou o gramado sendo, literalmente, pintado de verde para maquiar as sua imperfeições. O jornal trazia na capa a manchete: "Pintando a esperança". O texto que abria o caderno esporte total, em 4 demarço de 2009, tinha como manchete: "Gramado fica verde em um passo de mágica". Foi exatamente na Libertadores, que Daniel Paulista rompeu os ligamentos do joelho em uma partida contra o Palmeiras.

Trabalho - Gustavo Bruno é um dos sócios da empresa Ecoflora, responsável pela manutenção do gramado da Ilha do Retiro, diz que vem fazendo o possível para melhorar o local de jogo. "O nosso problema é mesmo tempo. Temos um gramado com uma série de deficiências. Para se ter um ideia, o time jogou no domingo, treinou hoje (ontem) e vai jogar na quarta novamente", explicou o empresário. De acordo ele, para fazer um trabalho satisfatório no campo precisaria de, no mínimo, 60 dias. "Nesse período podemos refazer todo o processo de drenagem, trabalhar o solo e replantar a grama. Lá na Ilha são mais de 30 anos de paliativos", lamenta. O custo para tal processo não sai por menos de R$ 500 mil. Mas será melhor parar enquanto é tempo para o prejuízo, no final, não ser maior com a perde de mais atletas.

Vitimas

Jadilson ..... (atacante)
Xinho ........(meia)
Everton Felipe .... (atacante)
Gabriel ........(zagueiro)
Daniel Paulista .... (volante)
Adriano Pimenta .... (meia)
Luciano Henrique .... (meia)
Wilson ....(atacante)
Nadson ....(atacante)
Ciro ....(atacante)

Jogos da Copa do Brasil terão minuto de silêncio por Armando Nogueira

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, determinou luto oficial de três dias no futebol brasileiro em virtude da morte do jornalista Armando Nogueira na manhã deste domingo. Em nota no site oficial, Teixeira diz que será observado um minuto de silêncio nos jogos da Copa do Brasil a serem realizados nesta quarta-feira (31).

Segundo Teixeira, Armando foi "um dos mais importantes jornalistas brasileiros, com trajetória profissional marcante nas mais conceituadas empresas de comunicação do país".


Armando Nogueira está sendo velado no Maracanã desde às 13 horas de ontem.


O corpo do jornalista Armando Nogueira, que morreu na manhã desta segunda-feira, aos 83 anos, em seu apartamento na Lagoa, zona sul do Rio,está sendo velado desde às 13 horas, de ontem na tribuna de honra do estádio do Maracanã.

Ex-diretor de jornalismo da TV Globo, ele lutava contra um câncer no cérebro desde julho 2007. Nogueira estava sendo tratado em uma enfermaria montada em sua residência, mas seu quadro se agravou nos últimos dias. O enterro está marcado para esta terça-feira, às 12 horas, no cemitério São João Batista.

Autor de dez livros, Nogueira nasceu em Xapuri, no Acre, e formou-se em direito no Rio. De acordo com sua biografia oficial em 1950 começou a carreira de jornalista no Diário Carioca. Foi repórter, redator e colunista. Trabalhou na Revista Manchete, como redator principal na gestão de Otto Lara Resende. Em O Cruzeiro, foi repórter fotográfico de 1957 a 1959.

Em 1959, Nogueira entrou para o Jornal do Brasil, onde foi redator e colunista. Lá, de 1961 a 1973, assinou a coluna diária "Na Grande Área". Como repórter, fez a cobertura de todas as Copas do Mundo a partir de 1954. Começou no telejornalismo em 1959, na antiga TV-Rio, canal 13. Ele dirigiu a Central Globo de Jornalismo da TV por 24 anos e, após a polêmica edição do debate entre os candidatos das eleições presidenciais de 1989, Nogueira passou a dedicar-se integralmente ao jornalismo esportivo.

O jornalista participou da cobertura dos Jogos Olímpicos desde 1980, em Moscou. Ele trabalhou ainda na Rede Bandeirantes e seus últimos trabalhos foram no SporTV, onde apresentava o programa Papo Com Armando Nogueira, e na Rádio CBN, onde participava do CBN Brasil.

Amigos, jornalistas e ex-colegas de trabalho já homenageiam Armando Nogueira. "Fui contratado pelo Armando pra trabalhar na TV Globo, vivíamos um período de censura no Brasil e ele aguentou isso com habilidade diplomática e paciência. Ele cultuava o bom texto, adorava dar um palpite pra melhorar uma frase. Era uma pessoa que admirava a maneira boa de escrever e incentivava isso nos jornalistas", disse Silio Bocaneira, da TV Globo, em entrevista para a Globonews.

Frases marcantes de Armando Nogueira

PELÉ
"Pelé é tão perfeito que se não tivesse nascido gente, teria nascido bola."


PELÉ E TOSTÃO
“A tabelinha de Pelé e Tostão confirma a existência de Deus.”


GARRINCHA
"Para Mané Garrincha, o espaço de um pequeno guardanapo era um enorme latifúndio."


MAU CARÁTER
"No futebol, matar a bola é um ato de amor. Se a bola não quica, mau-caráter indica."


CRÍTICA
"Os cartolas pecam por ação, omissão ou comissão"


HUMOR
"Anúncio: troco dois pés em bom estado de conservação por um par de asas bem voadas."


HERÓIS
"Heróis são reféns da glória. Vivem sufocados pela tirania da alta performance"


NÍLTON SANTOS
"Tu, em campo, parecias tantos, e no entanto, que encanto! Eras um só, Nílton Santos".


ZICO
"A bola é uma flor que nasce nos pés de Zico, com cheiro de gol."


GOL
“Gol de letra é injúria; gol contra é incesto; gol de bico é estupro."



CALENDÁRIO
"O calendário do futebol brasileiro não é gregoriano nem juliano, é cartoliano".

Santa Cruz viaja para o Rio nesta quarta

Gilberto Matuto foi liberado pelo DM, mas não enfrenta o Botafogo

Gilberto Matuto foi liberado pelo DM, mas não enfrenta o Botafogo

O Santa Cruz viaja para o Rio de Janeiro às 15h50 desta quarta-feira (31) para enfrentar o Botafogo às 21h30 da quinta-feira (1°), no Engenhão, pelo jogo de volta da 2ª fase da Copa do Brasil.


O jogo terá arbitragem de Brasília: Wilton Pereira Sampaio, Renato Miguel Vieira e Ciro Junqueira.


Nesta segunda-feira (29), o Departanento Médico liberou Gilberto Matuto, André Leonel, Baiano e Dedé, mas em contrapartida vetou Jackson, Natan e Leandro Cardoso. Após o período de recuperação, o lateral Gilberto Matuto fez o primeiro trabalho físico nesta segunda, mas está fora do jogo contra o Botafogo, assim como Baiano.

Nadson será operado.

Fora dos gramados há quase dois meses, o atacante Nadson estava quase recuperado de uma lesão na cartilagem do joelho direito e já deveria ter voltado aos treinamentos com o elenco rubro-negro. Uma nova avaliação do Departamento Médico leonino, porém, constatou que o caso do jogador é cirúrgico, o que fará ele passar por uma operação no local esta semana.

A previsão de recuperação do jogador é de aproximadamente um mês, quando deverá voltar a treinar com bola.

A demissão de Leivinha

Aflitos // Depois da saída de quatro diretores, Náutico dispensa o auxiliar técnico que criticou decisão alegando falta de valorização aos profissionais da "casa"


O atrito com o superintendente remunerado de futebol timbu, Gustavo Mendes, custou o emprego de auxiliar técnico do Náutico a José Edson Marcelino de Oliveira, mais conhecido como Leivinha. Aguardada desde a saída dos diretores de futebol Sérgio Lins, Eduardo Loyo, Gustavo Rêgo e Renato Cunha Lima, ocorrida sábado, após o jogo do Náutico contra a Cabense, a demissão foi anunciada ontem e deixou o profissional surpreso e cabisbaixo. "Infelizmente, o pessoal da casa não tem o devido valor por aqui. Valorizam mais as pessoas de fora. Não entendi a atitude", lamentou.



Leivinha deseja seguir carreira como treinador e não mais como auxiliar técnico como estava no Alvirrubro
A suposta perseguição de Gustavo Mendes começou com a insatisfação de Leivinha por receber apenas 50% da gratificação pelas vitórias (o popular "bicho") - montante repartido, inclusive, com alguns dirigentes, ao contrário do habitual. O ex-auxiliar técnico externou o problema aos antigos diretores de futebol. Consequentemente, a notícia chegou aos ouvidos do superintendente, gerando o mal estar. O estopim - ou, quem sabe, a oportunidade - para a dispensa teria surgido com o fato de Leivinha não ter ido a Araripina para observar o jogo contra o Porto, domingo retrasado, quando ocorreu o Clássico das Emoções - o Bode era o próximo adversário dos alvirrubros.



"Ele (Gustavo) mandou eu resolver a questão da viagem com o gerente de futebol (Vulpian Novaes). Mas não se chegou ao acordo de viabilizar a ida a Araripina, devido aos custos. Então, pedimos para um profissional filmar a partida", explicou. A medida tende a trazer insatisfação entre a maior parte da torcida alvirrubra. Os apelos do público para a valorização da prata-da-casa são constantes. O zagueiro Diego Bispo e o volante Nílson, apesar das atuações convincentes, só costumam ser acionados por desfalque de outros jogadores. No único duelo deste ano sob o comando de Leivinha, o grupo ganhou titularidade.


O Diario chegou a falar com Mendes. O dirigente alegou estar jantando em Salvador e pediu para retornar a ligação após meia hora. A reportagem passou duas horas tentando o contato. Sem sucesso.


Leivinha assumiu o cargo de auxiliar técnico do time profissional em 2000. Três anos depois, teve a chance como treinador e conseguiu evitar o rebaixamento do clube à Série C do Brasileirão - quando assumiu, a quatro rodadas do final, venceu todos os jogos. Chateado por não ter sido efetivado durante o Estadual seguinte, deixou o clube. Em 2009, aceitou o convite para o retorno. "Quero seguir minha carreira como treinador. Não como auxiliar técnico", afirmou. Agora, Thiago Alves é o único assistente de Gallo.

Leandrão e Tobi também estão fora do jogo contra o Paraná

Ciro será avaliado pelo DM para saber se poderá enfrentar o Paraná

Ciro será avaliado pelo DM para saber se poderá enfrentar o Paraná


Após a vitória diante do Santa Cruz nesse domingo (28), o Sport volta as atenções para o jogo de volta da 2ª fase da Copa do Brasil. Para a partida desta quarta-feira (31), às 21h50, diante do Paraná, na Ilha do Retiro, o técnico Givanildo Oliveira ficará sem Leandrão e sem o zagueiro Tobi, expulso no jogo de ida.


Outro desfalque poderá ser o atacante Ciro, que saiu de campo machucado nesse domingo (28), após abrir o placar diante do Santa. Por causa da entorse no tornozelo direito, o jovem artilheiro não treina nesta segunda (29) nem na terça-feira (30), e será reavaliado pelo Departamento Médico. Daniel Paulista também é dúvida após deixar os gramados no Clássico das Multidões, reclamando de dores no tornozelo. "Os dois apresentaram edemas na região do tornozelo e teremos um período muito curto para recuperaçãO deles", declarou o médico do time, Dr Stemberg Vasconcelos.


No jogo de ida, no Estádio Durival de Britto, em Curitiba, o Sport empatou com o Paraná no sufoco, chegando a desperdiçar um pênalti aos 39 minutos do segundo tempo. Os rubro-negros têm a vantagem de empatar por 0x0 para ficar com a vaga. Um novo 1x1 leva a decisão para os pênaltis. Se o Sport se classificar para a próxima fase da Copa do Brasil vai enfrentar a Chapecoense ou o Atlético Mineiro, que perdeu a primeira partida por 1 x 0.


PROMOÇÃO - Diferente do Clássico das Multidões desse domingo, quando os ingressos custaram R$ 40 e R$ 20 na Ilha, a diretoria rubro-negra resolveu fazer promoção para o jogo desta quarta. Os bilhetes para a arquibancada custarão R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), e quem for para a Geral vai pagar apenas R$ 7 pelo ingresso.

Náutico espera ter Hamilton no jogo contra o Vitória-BA


Reprodução / TV Globo |

Volante espera liberação do departamento médico para saber se terá condições de jogar na quarta-feira, em Salvador


Após recuperar a vice-liderança do Campeonato Pernambucano, o Náutico dá uma pausa na competição para focar no jogo de volta diante do Vitória-BA, pela Copa do Brasil. A delegação alvirrubra embarca nesta segunda-feira (29) para Salvador, local da partida. Para o jogo, o técnico Alexandre Gallo terá dois desfalques.



O zagueiro Vinícius, cumpre pena imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pela expulsão na estreia contra o Ivinhema. Enquanto Derley também fica fora por ter tomado o cartão vermelho no jogo contra o próprio Vitória, no Recife.



A partida está marcada para as 21h50 desta quarta-feira (31) e terá transmissão ao vivo da TV Globo. Antes do jogo, o time faz um treino na terça-feira no campo do Bahia, quando Gallo deve definir o time que entrará em campo.



HAMILTON
A expectativa é pela volta do volante Hamilton, que desfalcou o time na última rodada por conta de uma entorse no tornozelo. Caso seja liberado pelo departamento médico, Hamilton tem vaga garantida entre os titulares.



Como perdeu o jogo de ida por 1 a 0, para avançar na competição o Náutico precisa bater o time baiano com dois gols. O empate garante vaga para o Vitória. Resultado igual ao jogo dos aflitos leva a decisão para os pênaltis. O Timbu pode até vencer por um gol de diferença, mas contato que o placar seja com dois ou mais gols, o que daria vantagem no critério de gols marcados fora de casa.

Brasão: ‘Não vamos nos abater com a derrota’


Para atacante, o momento agora é de pensar na partida contra o Botafogo, quinta-feira, pela Copa do Brasil

O momento no Arruda é de esquecer a derrota no clássico contra o Sport e já pensar na próxima decisão. O Santa decide vaga para a próxima fase da Copa do Brasil diante do Botafogo, na quinta-feira (1º), pela Copa do Brasil.

Os desfalques continuam sendo problemas para o técnico Dado Cavalcanti. Os zagueiros Leandro Cardoso e Alex Xavier, além dos meias Jackson e Natan seguem no departamento médico e dificilmente terão condições de atuar. A expectativa fica para a liberação do lateral-direito Gilberto Matuto, que já apresenta melhora.

Expulso no clássico, o atacante Brasão estará em campo na quinta-feira, pois só cumprirá a suspensão na próxima rodada do Campeonato Pernambucano. Para o atacante, o time não vai se abater com a derrota. “Vamos pensar para frente. Já foi e não vai voltar atrás. Vamos pensar na Copa do Brasil, que é outra batalha. Não vamos nos abater, não. Temos um grupo com vários jogadores experientes. Agora é trabalhar pensando no Botafogo, o Sport já passou”, disse.

Como perdeu o jogo de ida no Arruda, o Santa Cruz precisa vencer o time carioca com dois gols. A vitória tricolor pode ater por um gol de diferença, contando que seja por um placar de 2 a 1 ou superior, pois levaria vantagem no critério de desempate. Caso vença pelo mesmo placar de 1 a 0, o Santa leva a decisão para os pênaltis. O empate, garante vaga para o Botafogo.

SALGUEIRO - Carcará planeja voos mais audaciosos

O Salgueiro entrou neste Campeonato Pernambucano sem poder contar com o aporte financeiro do seu principal investidor, o empresário Clebel Souza, que vinha injetando dinheiro na agremiação durante os últimos quatro anos. Com a ausência dessa ajuda de custo, as expectativas apontavam para que o time brigasse na parte de baixo da tabela da competição. O que, de fato, está acontecendo (é apenas o oitavo colocado, com 22 pontos somados). Os sertanejos, no entanto, visando à disputa da Série C, já estão em negociações com três grandes empresas (Fiat, Lupo e Banco BMG). Segundo o presidente do clube, José Guilherme, elas estariam interessadas em apoiar a equipe no certame nacional e no próximo Estadual. A melhor notícia para a torcida salgueirense, porém, é o retorno de Clebel para o clube, confirmada, ontem, pelo mandatário do Carcará.

No último domingo, o Salgueiro bateu o Vitória, por 2x1, em casa. De acordo com José Guilherme, após o triunfo dos sertanejos, Clebel Souza foi até os vestiários do Cornélio de Barros. No local, proferiu palavras de incentivo e, para selar uma volta em grande estilo, deu uma quantia de R$ 3 mil de “bicho” aos jogadores, que, com o resultado positivo diante do Taboquito, praticamente afastaram a possibilidade de rebaixamento à Série A2 do Pernambucano. No período em que o empresário esteve investindo no Carcará, de 2005 até o final do ano passado, colocou cerca de R$ 600 mil nos cofres salgueirenses.

O time do Sertão segue ainda negociando com três empresas. Caso fechem com alguma, a previsão é de que, novamente, um elenco competitivo seja formado. “Esperamos fechar, pelo menos, com um desses patrocinadores, já que seremos o único clube do Estado que vai disputar a Série C. Provavelmente, vamos viajar para cidades como Fortaleza, Natal e João Pessoa, que têm abrangentes mercados para esses investidores”, afirmou José Guilherme. “Com esses apoios, vamos montar uma equipe para brigar pelo acesso à Segunda Divisão”, completou. Os patrocínios teriam duração de 12 meses. O cartola, contudo, preferiu não estipular prazo para o fechamento do acordo e não quis adiantar nada sobre os valores que seriam pagos ao clube.

Ciro e Daniel Paulista devem desfalcar o Sport

Atacante Ciro foi substituído, domingo, após sofrer lesão, e precisou ser ajudado para deixar o gramado

Ambos sofreram entorse no tornozelo no Clássico das Multidões

Com o moral praticamente atingindo o nível máximo, após a bela vitória no Clássicos das Multidões, o Sport não teve muito para comemorar ontem e pode sofrer dois baques hoje, na véspera do confronto decisivo contra o Paraná, pelo jogo de volta da segunda fase da Copa do Brasil 2010. Para o confronto, marcado para as 21h50, na Ilha do Retiro, o Leão tem 90% de chances, segundo as previsões dos médicos leoninos, de não contar com duas peças importantes. O volante Daniel Paulista e o atacante Ciro, ambos com uma entorse no tornozelo direito, serão reavaliados pelo Departamento Médico hoje, porém, estão praticamente vetados para enfrentar os paranaenses.

As duas lesões ocorreram durante o clássico de domingo. No caso do centroavante, ele deixou o campo após uma dividida com o zagueiro Alysson e precisou ser carregado para os vestiários pelo goleiro Saulo e um membro da comissão técnica, já que não conseguia andar. Já o volante, faltando dez minutos para o fim do jogo, tentou afastar uma bola e acabou chutando o chão.

Segundo o médico leonino, Stemberg Vasconcelos, as situações clínicas dos atletas são semelhantes e as chances de atuarem são iguais. “Realizamos um exame de imagem e não houve fratura, apenas entorse. Vamos reavaliar os dois amanhã (hoje). Mas se o jogo fosse hoje (ontem), eles não reuniriam a mínima condição de jogo, já que os tornozelos ainda estão bastante inchados”, comentou Stemberg.

O desânimo quanto à participação dos dois é tão grande que o próprio Ciro praticamente jogou a toalha. “Apesar da vontade grande de ajudar o Sport, eu acho muito difícil que eu consiga jogar”, disse o artilheiro do Leão na temporada, com 14 gols, sendo dois pela Copa do Brasil. Com Wilson e Nadson lesionados, quem deve ficar com a vaga de titular é Éverton Felipe, revelado pelas categorias de base do clube e que deve fazer sua primeira partida como titular.

Na vaga de Daniel Paulista, a dor de cabeça promete ser maior para Givanildo Oliveira. Sem Tobi, expulso no jogo de ida, em Curitiba, o comandante leonino deve recuar o meia Eduardo Ramos para ajudar na marcação, ao lado de Zé Antônio, e decidir entre Kássio e Odair para atuar na função de armador. Na zaga, Dirley provavelmente será acionado para atuar ao lado de Igor e César. Essas dúvidas devem acabar nesta tarde, na Ilha do Retiro, quando o Leão realiza o seu último coletivo antes da partida contra o Paraná. Ontem, a CBF divulgou o trio de arbitragem para este confronto. O árbitro será o baiano Arilson Bispo da Anunciação e terá o conterrâneo Alessandro Rocha e o cearense Arnaldo Rodrigues como assistentes.

INGRESSOS

Os ingressos para o jogo entre Sport e Paraná, amanhã, na Ilha do Retiro, continuam sendo vendidos hoje, das 9h às 17h, nos seguintes pontos: Lojas Esposende da Rua Nova e dos Shoppings Recife e Tacaruna; loja Futebol do Brasil, no Pina; e na sede do clube.

Edson Leivinha é demitido pelo Náutico


O tenso fim de semana nos bastidores do Náutico continua ecoando. Depois da saída de quatro diretores do Departamento de Futebol, o presidente do Timbu, Berillo Júnior, confirmou a saída do auxiliar técnico do clube, Edson Leivinha. “Ele se reuniu hoje (ontem) de tarde com o Vulpian (Novaes, gerente de futebol) e ficou acertada a sua saída”, disse.

Não houve uma versão oficial do presidente sobre os motivos que levaram ao corte do profissional. “Prefiro não comentar o assunto, é uma questão administrativa do Náutico”, arrematou Berillo.

A única versão apresentada até agora, que inclui o depoimento do próprio Leivinha, tem contornos pouco conclusivos. O agora ex-auxiliar alvirrubro, que trabalhava também como observador dos futuros adversários do Náutico, disse que houve uma falha de comunicação no departamento, o que custou o seu emprego.

Há três rodadas, o técnico Alexandre Gallo solicitou que ele acompanhasse a partida entre Araripina e Porto, no Chapadão do Araripe. Segundo Leivinha, Vulpian Novaes avisou que a viagem não aconteceria, por uma questão de custo-benefício. Na rodada seguinte, enquanto o Náutico vencia o Araripina por 3x0 nos Aflitos, o ex-auxiliar, enviado por Vulpian, acompanhava Cabense e Central, colhendo informações para o duelo que aconteceu no último sábado.

Parte da comissão técnica não engoliu a história. O técnico Alexandre Gallo seguiu a linha discreta do presidente Berillo Júnior e despistou. “Fui questionado sobre essa situação e dei a minha opinião, além de escutar o que a diretoria tinha a dizer”, foi o que disse o treinador alvirrubro, sem deixar claro se foi contra ou a favor da demissão. Segundo Berillo Júnior, Gallo ainda não solicitou um substituto para o cargo de auxiliar técnico. “Tudo aconteceu muito rápido, e ainda não tivemos a possibilidade de discutir isso”.

Briga boa entre Cabense e Ypiranga pela quarta vaga


Time de Santa Cruz do Capibaribe subiu de produção com a chegada do técnico Neco
As três primeiras vagas do G4 do Campeonato Pernambuco já estão quase definidas. Caso o mundo não vire de ponta cabeça até o fim da primeira etapa, o Sport será o líder da competição, ladeado por Santa Cruz e Náutico, que devem travar um duelo protocolar pelas segunda e terceira colocações. Tudo conforme o previsto até aí. A disputa começa a ficar boa mesmo é pelo quarto e derradeiro lugar nas semifinais. Os dois principais candidatos têm trajetórias opostas neste Estadual: Cabense e Ypiranga.

A mistura de atletas jovens com outros mais experientes, e conhecidos pela qualidade de tratar bem a bola dentro de campo e de erguer copos fora dele, parecia que ia dar certo no time de Santa Cruz do Capibaribe. Não foi o que aconteceu. Nas primeiras quatro partidas, apenas um ponto somado.


O mau retrospecto derrubou o então treinador da equipe, Rubens Monteiro. Imediatamente, a Máquina de Costura melhorou, passou a conseguir bons resultados e está hoje a apenas um ponto do G4. De acordo com o vice-presidente do clube, Flávio Pontes, o sucesso do Ypiranga a partir daí tem nome: Neco. “No começo, a gente teve problemas com contusões e regularizações. Mas não nos desesperamos e mantivemos a base. Com a chegada de Neco, o time se encaixou e os resultados apareceram”, disse o cartola. O comandante prefere dar crédito aos atletas. “Eu acho que sou uma peça importante, mas o fundamental mesmo são os jogadores que transformam o que eu passo em atitude dentro de campo. O grupo está de parabéns”, afirmou.


Outra medida importante foi segurar o ímpeto de atletas tidos como indisciplinados. Flávio Pontes revelou que não houve nenhum problema extra-campo. Algo digno de nota em uma equipe cuja principal estrela é o “bad boy” Rosembrik, por exemplo. “Aqui, nós temos a política de respeitar o ser humano. Nossa diretoria é muito atuante e procura sempre estar próxima aos atletas. O tratamento é cara a cara. Além disso, aqui dia 10 é dia 10. Fazemos a nossa parte e cobramos para que o jogador faça a dele”, declarou o cartola.


Com a Cabense, aconteceu o contrário do que se deu com a Máquina de Costura. O Azulão surpreendeu no início do campeonato e desde então se mantém no G4 da competição. Apesar disso, pode-se registrar uma leve queda no desempenho da equipe nas últimas partidas. É exagero falar em crise, mas a folga que havia para a concorrência já não existe mais: um ponto o separa do quinto colocado, o já citado Ypiranga.


Mesmo assim, o gerente de futebol Carlos Kila, um dos responsáveis pelo sucesso da equipe, prega serenidade. “Não estamos preocupados. O time tem jogado bem, feito boas partidas. Se a gente estivesse perdendo os jogos com más atuações, aí sim, seria motivo para preocupação. Estamos tranquilos em relação ao trabalho desenvolvido”, disse.


O dirigente também considerou a tabela favorável para a agremiação do Cabo de Santo Agostinho. “Nós somos a única equipe que têm três das quatro partidas restantes dentro de casa. Além disso, nossos adversários pela vaga ainda têm confrontos diretos ou enfrentam mais de um time grande”, analisou. A única ausência do time sensação do primeiro turno é o atacante Eduardinho, negociado pelo Vitória (seu clube de origem) com o Brasiliense.

Nada de problemas na bagagem


Meio-campista Zé Carlos afirmou que confia que a diretoria do Timbu irá honrar com seus compromissos
Alvirrubros seguiram para Salvador jurando que estão focados somente no Vitória


O Náutico embarcou, na tarde de ontem, para Salvador, onde enfrenta o Vitória, amanhã, no jogo de volta da segunda fase da Copa do Brasil. Para confortar os 18 jogadores relacionados e a comissão técnica durante os três dias de permanência na capital baiana, muitas malas. Mas a delegação alvirrubra decidiu excluir da bagagem problemas como atrasos de salário e reformulação da diretoria, com o objetivo de enfrentar o Rubro-negro baiano de forma mais leve.

Após receberem uma dose extra de raios ultravioleta, no sol escaldante do meio-dia, horário em que terminou o treinamento de ontem, realizado no CT Wilson Campos, os alvirrubros tiveram que esfriar a cabeça e raciocinar bem em busca de palavras que respondessem as perguntas sem causar qualquer tipo de desconforto. O meia Zé Carlos foi o primeiro interrogado sobre os assuntos espinhosos. Na avaliação do jogador, o atraso no ordenado do mês de fevereiro - o qual os atletas só receberam 25% do valor designado na carteira de trabalho - não está afetando o grupo.


“Não posso entrar muito em detalhes. O que posso dizer é que o grupo do Náutico está feliz no momento, principalmente depois de uma vitória suada contra a Cabense. Sabemos que a diretoria do clube está fazendo tudo o possível para honrar os seus compromissos. Confiamos neles”, ressaltou o polivalente canhoto. “O astral do elenco é bom, e não podemos deixar que isso mude nesse momento importante da temporada. A diretoria tem competência para resolver os assuntos fora das quatro linhas”, acrescentou o jogador.


O técnico Alexandre Gallo ressaltou que todos os assuntos que pipocaram durante o final de semana serão tratados exclusivamente pela diretoria alvirrubra. “Em alguns assuntos que dizem respeito ao bem estar da equipe, eu sou consultado e dou minha opinião”, resumiu. O treinador disse que o foco está voltado para o Vitória. “É um jogo muito importante nessa altura da temporada. Estamos com confiança necessária para reverter o resultado do primeiro jogo”.


Repetindo a estratégia adotada no primeiro jogo, Gallo não deu pistas sobre a equipe que vai buscar a vitória na Bahia. “Prefiro definir no dia do jogo, por uma questão de respeito ao adversário”, disse. “Esse fato de antecipar a viagem para Salvador ajuda na concentração. É uma prova do nível de seriedade com o qual estamos encarando essa partida”.

segunda-feira, março 29, 2010

Joanna Maranhão conquista o quinto ouro e mantém soberania em Medellín


Em três dias, a pernambucana conquistou sua sexta medalha, sendo cinco de ouro

Joanna Maranhão continua dominando os Jogos Sul-Americanos de Medellín. Em três dias, a pernambucana conquistou sua sexta medalha, sendo cinco de ouro, na competição colombiana. A vitória deste domingo foi nos 200m borboleta, com direito a melhor marca do Sul-Americano e dos Jogos da Odesur, com o tempo 2m13s22. A capixaba Daiene Dias terminou na sétima colocação, com 2m26s22. Agora, o Brasil conta com 39 medalhas (21 ouros, 14 pratas e quatro bronzes) na natação.

Fabíola Molina também teve um bom dia em Medellín. A veterana terminou os 50m costas em 28s50, superando sua própria marca do campeonato sul-americano e dos Jogos da Odesur, obtida nas eliminatórias (28s69). Fernanda Alvarenga foi a sexta colocada, com 30s53.

- Estou satisfeita, pois não tive o tempo ideal de treinamento para cá. Me formei em sargento do exército e estava em acampamento na semana passada. Além disso, machuquei o braço em treinamento recente, sem falar que mudei para Brasília em fevereiro. Ou seja, minha vida mudou por completo – contou Fabíola.

Nos 200m peito, Carolina Mussi e Tatiane Sakemi foram ouro e prata, com 2m39s75 e 2m41s22, respectivamente. Já Tatiana Lemos Barbosa ficou com o segundo lugar dos 200m livre, 2m05s00, atrás da argentina Cecília Biagioli (2m03s28).

Thiago Pereira vence 200m medley com facilidade

Campeão pan-americano, Thiago Pereira não teve dificuldade para vencer os 200m medley. O brasileiro terminou a prova em 2m03s16 e já saiu da piscina falando sobre a disputa do dia seguinte. O segundo colocado, o venezuelano Leopoldo Andara, veio bem atrás com 2m08s27.

- Pensei em nadar somente os 150 metros e deixar me levar no livre. Mas nadei bem, fácil, e cheguei muito bem aqui na altitude, que sempre é mais difícil, o que me deixa bem contente. Costumo sair cheio de dores e hoje nada. Venho treinando pesado, não vou polir pro Troféu Maria Lenk. Espero chegar na plenitude da forma no Pan-Pacífico de agosto nos Estados Unidos. Agora é descansar bem, pois amanhã vou ter um dia pesado com os 200m peito, os 400m medley e o revezamento 4x100m livre – disse Thiago, que saiu sorrindo da prova.

Na prova mais longa das piscinas, os 1500m livre, os brasileiros dominaram o pódio, invertendo os primeiros lugares dos 800m livre, disputado no primeiro dia. Neste domingo, deu ouro para Luis Arapiraca, 15m41s91, e prata para Lucas Kanieski, 15m43s69.

- Não estava esperando mais nada desta prova, pois fiz um tempo ruim nos 800m. Mas acabei acertando as viradas, encaixei bem, e fui melhor do que imaginava antes – revelou Arapiraca, recordista sul-americano da prova.

Já na prova mais rápida, os 50m livre, o venezuelano Crox Acuña venceu com 22s99, superando o brasileiro Nicolas Oliveira, segundo com 23s00. Guilherme Roth ficou fora do pódio por pouco ao chegar em quarto, 23s27, 17 centésimos atrás do argentino Federico Grabich.

Nas últimas provas da noite, os revezamentos, o Brasil venceu no 4x100m medley masculino (Guilherme Guido, Felipe França Silva, Gabriel Mangabeira e Nicolas Oliveira), com 3m43s73, com novo recorde dos Jogos da Odesur. No 4x100 livre feminino, Daynara de Paula, Flavia Delaroli-Cazziolato, Alessandra Marchioro e Tatiana Lemos Barbosa levaram a melhor, com 3m48s34, nova marca de campeonato sul-americano e dos Jogos da Odesur.

Eduardo Ramos: ‘Vai ser difícil ganhar da gente’


Para o meio-campo, força das arquibancadas é fundamental nas partidas do Sport

Que a torcida do Sport joga junto com o time, isso é de conhecimento quase geral. Mas o reconhecimento vem também de quem está dentro de campo. Autor do segundo gol do Leão na vitória por 2 a 0 sobre o Santa Cruz, no domingo, na Ilha do Retiro, o meia exaltou a força das arquibancadas e ainda propôs um desafio aos adversários.

"Tenho certeza que sempre encontraremos essa força no estádio, essa torcida que temos. Assim vai ser difícil ganhar da gente. Pode até acontecer, mas vai ser difícil", disse o meia, que foi um dos destaques do jogo.

Mas é claro que só torcida não ganha jogo. Dentro das quatro linhas, a boa atuação da equipe foi importante para manter a liderança no Campeonato Pernambucano e ficar a uma vitória de garantir a primeira posição, além de levar a vantagem de decidir em casa nas semifinais. O espírito de luta foi comentado pelo volante Daniel.

"Nossa equipe mostrou um bom futebol, e quando tivemos um jogador a mais, mesmo com uma maior posse de bola do Santa Cruz, administramos o resultado", afirmou.

Agora, o Sport volta as suas atenções para a Copa do Brasil. Nesta quarta, recebe o Paraná, jogando até por um empate sem gols, já que empatou por 1 a 1 em Curitiba. No domingo de Páscoa, novamente pelo Estadual, o Leão visita a Cabense.

A dupla que manda na Ilha


Ciro e Eduardo Ramos marcaram os gols que garantiram a vitória contra o Santa Cruz, por 2 x 0 Cassio zirpoli, Márcio Cruz e Rodolfo Bourbon

Melhores momentos - Sport 2x0 Santa Cruz - Ilha do Retiro. Domingo, 28 de Março de 2010

Amigos, bons jogadores e em ótima fase. Mais do que isso. O atacante Ciro e o meia Eduardo Ramos formam uma dupla entrosada, mesmo com o pouco tempo atuando juntos no Sport. Visão de jogo de um e bom aproveitamento nas finalizações do outro. E muitos gols dos dois. Dos 46 gols do Rubro-negro na temporada, eles marcaram 23, concentrando nada menos que 50% do poder de fogo da equipe. Ontem, uma prova contundente, diante do maior rival. A expectativa era de um jogão na Ilha do Retiro. Na quinta-feira o Diario já havia cravado na manchete: "O Recife vai parar". Dito e feito. Ontem, boa parte da cidade acompanhou um clássico como nos bons tempos. Nada de ver um Santa Cruz se acovardando em campo, por causa do nível técnico inferior. Nem de um Sport confuso, tropeçando nas próprias pernas, como na última Série A. Foi um bom jogo, com aplicação dos dois lados e a velha dose de polêmica, como sempre. E com vitória rubro-negra por 2 x 0, com golsde Ciro e Eduardo Ramos, é claro. A dupla mandou na partida e o Sport chegou a 20 jogos invicto.



Atacante rubro-negro disputou o seu quarto Clássico das Multidões e marcou o seu quinto gol
Os gols ampliaram uma vantagem praticamente inalcançável no Pernambucano, agora com 10 pontos sobre o vice-líder Náutico (44 x 34), que tomou o lugar da Cobra Coral. A vaga na semifinal já estava assegurada. No clássico, a certeza de que o Leão vem forte para o "verdadeiro" Estadual. O embalado Santa era o grande teste que o Sport precisava na competição. Na véspera do Clássico das Multidões, o técnico coral, Dado Cavalcanti, realizou um treino secreto. Testou formações. Sabia que era preciso fazer algo para suprir a ausência do seu maestro, Jackson, machucado. Colocou o lateral Edson Miolo no meio-campo, dando suporta a Elvis, "órfão" na criação. No Sport, a força de um conjunto. De um time que a torcida já decorou a escalação, de ponta a ponta.



Central a decepção da rodada

Pernambucano-2010: 18a rodada

Jogos da rodada em 2 linhas


O Clássico das Multidões marcou a 18ª rodada do Pernambucano. Na Ilha do Retiro, um público de apenas 22.009 torcedores. No interior, outros tantos, na única briga que vale até o fim da fase classificatória: a 4ª vaga na semifinal. A Cabense deu espaço e a turma chegou junto. Você aposta em quem…?!


Náutico 3 x 1 Cabense – O susto foi grande nos Aflitos, mas o Timbu aproveitou a pipocada da Cabense e voltou a vencer. Está na semi. E tem a chance de engrenar…


Porto 4 x 2 Sete de Setembro – Um toró incrível em Caruaru. Chuva de gols também no Lacerdão. O Gavião está em 6º e pode entrar no G4 se vencer o clássico agora.


Sport 2 x 0 Santa Cruz – Ciro x Brasão… Foi covardia, pois Ciro foi acompanhado de Eduardo Ramos para o duelo. O meia, por sinal, está jogando muito!


Vera Cruz 0 x 2 Ypiranga – Com 2 gols de pênalti (coisa rara pra Máquina de Costura), o time de Rosembrick também quer a vaga da Cabense…


Central 0 x 0 Araripina – Chega a ser constrangedor falar do Central. É sempre a mesma coisa. Surpreende numa rodada e decepciona na outra. É “regular”!


Salgueiro 2 x 1 Vitória – De virada, o Carcará ganhou no Sertão (chuva fote também) e praticamente acabou com o risco de rebaixamento. Agora, a Série C.

Ranking dos pênaltis e dos cartões vermelhos (18)


Nesta 18ª rodada do Estadual foram marcados 6 pênaltis. Um deles foi desperdiçado. De forma emblemática. A Cabense vencia o Náutico por 1 x 0 e teve a chance de ampliar. Perdeu a chance e ainda tomou a virada para 3 x 1, mesmo com 2 jogadores a mais… Tenso. Total de pênaltis: 56. Confira a atuação dos rankings do blog!

Pênaltis a favor
8 pênaltis - Central
7 pênaltis – Náutico e Ypiranga
6 pênaltis – Santa Cruz e Sport
5 pênaltis – Cabense
4 pênaltis – Salgueiro, Sete de Setembro e Porto
2 pênaltis – Vitória e Vera Cruz
1 pênalti – Araripina


Pênaltis cometidos
11 pênaltis – Porto
6 pênaltis – Salgueiro, Ypiranga e Sete de Setembro
5 pênaltis – Vitória
4 pênaltis – Araripina, Cabense e Náutico
3 pênaltis – Santa Cruz e Vera Cruz
2 pênaltis – Sport e Central


Observações:
Central perdeu 2 penalidades e defendeu 1.
Sport perdeu 1 penalidade e defendeu uma cobrança.
Porto defendeu 4 cobranças.
Ypiranga perdeu 4 penalidades e defendeu 1.
Cabense perdeu 3 penalidades e defendeu 1.
Salgueiro defendeu uma cobrança.
Vera Cruz perdeu uma cobrança.
Náutico defendeu 2 cobranças.
Araripina defendeu uma cobrança.
Santa Cruz perdeu uma cobrança.
Sete de Setembro perdeu uma cobrança.
Vitória defendeu uma cobrança.


  • Cartões vermelhos

1º) Náutico – 9 adversários expulsos (4 jogador do Timbu recebeu o vemelho)
2º) Santa Cruz – 10 adversários expulsos (7 jogadores corais receberam o vermelho)
3º) Sport – 4 adversários expulsos (2 jogadores do Sport receberam o vermelho)